O que ninguém te conta sobre Machu Picchu

Publicado em


Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone

Chegar lá custa MUITO caro

MACHU P

O Peru é um país incrível para conhecer. A gastronomia é fantástica, o povo é amável e as paisagens deslumbrantes. A mais procurada delas, sem dúvidas, é Machu Picchu. Mas conhecer uma das sete maravilhas do mundo moderno tem o seu preço. E ele não é nada barato. Chegar à cidade perdida dos incas não é tão fácil. Basicamente, o visitante tem duas formas de chegar: caminhando muito no meio da floresta e abdicando de conforto e tempo ou pagando um dos dos serviços de trem disponíveis na região, para garantir alguma comodidade. Essa segunda forma pesa bastante no bolso. Uma viagem de ida e volta de trem, por mais barata que seja, não irá custar menos de R$ 450. Some a isso o valor de uma diária em algum hostel/hotel/pousada e o valor do ônibus para subir e descer o trecho final.

Repelente é fundamental

Seguinte, essa é a dica mais importante da gente. Esqueça tudo, até a roupa, mas leve repelente. Machu Picchu fica em uma altitude mais baixa do que Cusco, no meio de uma floresta. Todos os guias e moradores locais sempre recomendam, leve repelente, pois a quantidade de mosquitos lá é enorme. Se você não seguir a recomendação, as chances de voltar cheio ou cheia de marcas são de mais de 80%. Outra dica é evitar bermudas e shorts. Você entenderá quando vir os gringos cheios de marcas vermelhas nas pernas. Além de estragar o passeio por lá, pode atrapalhar o resto da sua viagem (foi o que aconteceu com um brasileiro que conhecemos em nossa passagem por Cusco. Estava com a perna toda marcada e dolorida).

O horário da manhã é melhor

peru 2

Na hora de comprar o ingresso, dê preferência ao horário da manhã. Apesar de a viagem ficar mais cansativa, pois você terá que acordar cedo para enfrentar a fila do ônibus, a sua visita a Machu Picchu será bem mais agradável. No início da manhã, a temperatura é mais amena do que a tarde, quando costuma fazer um calor infernal. Sério, quando o sol abre é quase impossível caminhar sem sofrer por lá. Cedinho, ainda há frio e você pode acompanhar duas experiências únicas: ver o sol nascer lá de cima e ver as ruínas se descortinando por trás da neblina. Imperdível! Outra vantagem é: se você  chegar logo nos primeiros horários, vai ter a cidade praticamente vazia, sem aquela multidão de turistas. Para efeitos de foto, perfeito. Para efeitos de conhecimento e de aproveitar a experiência, melhor ainda.

Ir no verão é furada

Os meses de janeiro e fevereiro costumam ser bem chuvosos por lá, causando dois problemas. A neblina vai cobrir provavelmente boa parte das ruínas e montanhas, frustrando quem espera encontrar aquela imagem clássica da Huayna Picchu ao fundo, e também poderá haver pequenos deslizamentos fechando o acesso às ruínas ou deixando turistas ilhados, em casos extremos.

O visitante anda bastante

peru 3

Machu Picchu é grande, fique logo sabendo. Você vai andar bastante para conhecer tudo. Para se ter uma ideia, o passeio guiado não irá durar menos de duas horas. O nosso durou umas duas horas e meia. Lógico, você fica tão empolgado(a) que não se preocupa muito com o cansaço. Mas uma hora ele bate, sobretudo quando o sol começa a escaldar. Por isso, vá preparado (a) com roupas e sapatos confortáveis. Ah, outro detalhe importante: não tem esquema de acessibilidade para deficientes.

Para fazer a foto clássica, você terá que subir uma escadaria enorme

machu pichcu 3

Sabe aquela foto clássica, com a montanha Huayna Picchu ao fundo e as ruínas abaixo? Bom, para fazê-la você terá que subir até o mirante que fica perto da Casa del Guardián. Para chegar lá, não tem escapatória: é preciso se aventurar em uma escadaria enorme de pedras. É seguro e obviamente todos os turistas fazem esse percurso. Mas tenha cuidado, pois vimos alguns idosos tropeçando e uma mulher caindo.

Dá para fazer duas trilhas em montanhas a partir das ruínas

machu p 1



Booking.com

Machu Picchu esconde muitos segredos. Um deles é que lá em cima, no meio da cidade perdida, é possível fazer duas trilhas para subir duas montanhas diferentes. Uma delas é a Huayna Picchu, aquela que se vê ao fundo da maioria das fotos. A outra é a montanha Machu Picchu, que fica no lado posterior. Subir as duas não é uma experiência para qualquer pessoa, tendo em vista que são pelo menos duas horas de caminhada subindo escadarias ao lado de penhascos. A montanha Machu Picchu, apesar de ser a maior (3.082 metros), é menos vertical. A Huayna Picchu é menor (2.720), porém MUITO mais íngreme. Para se aventurar nesses passeios extras, o visitante precisa comprar o ingresso conjunto com o da entrada às ruínas e com antecedência de pelo menos três meses, já que a procura é grande.

Dá para ficar satisfeito(a) sem subir Machu Picchu montaña e Huayna Picchu montaña

Subir as montanhas é uma experiência incrível, de fato. Nós subimos a Machu Picchu e ficamos estarrecidos com a paisagem lá de cima. Porém, se você não tem fôlego nem preparo físico, talvez seja melhor não se aventurar. E não se preocupe, as ruínas da cidade perdida dão conta de um passeio inesquecível. Aliás, elas são o ponto alto do dia. Tudo além é apenas um plus.

Vai ter fila para descer

Seguinte, se você for no horário da manhã, evite sair ao mesmo tempo que a maioria dos turistas. Apesar da quantidade de ônibus subindo e descendo aquela montanha, nos horários de “pico” se forma uma fila enorme na entrada das ruínas e você pode passar bem uma hora em pé, no sol, esperando (foi o nosso caso).

A subida de Águas Calientes para Machu Picchu é BEM íngreme

Para sair de Machu Picchu Pueblo (Águas Calientes) e chegar até as ruínas existem duas opções: um ônibus e ou uma trilha vertical no meio da floresta. Escolhendo uma ou outra, fique sabendo, você provavelmente terá vertigem se tiver medo de altura. A estrada é bem estreita (até agora estamos nos perguntando como passam dois ônibus por vez) e às vezes você olha pela janela e só vê o precipício. O melhor é se concentrar só na chegada e pronto.

Leve água

Se não ficou muito claro ainda, da metade da manhã em diante o calor é forte. E se você procurar água, não vai encontrar. Lá dentro das ruínas, não há pontos de venda. Fora, até tem, mas é caríssimo! E você nem pode sair mais de uma vez e retornar. Então, compre já em Águas Calientes, suba com ela (ou elas) na mochila e evite passar sede.

 

 

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.